O Grupo C na Copa do Mundo

Composto por França, Dinamarca, Peru e Austrália o grupo C inicia na Copa do Mundo de 2018 no dia 16 de junho.

A França, que só foi campeã do mundial uma vez, em 1998, contra o Brasil naquela final marcante para todos, tem em seu elenco grandes nomes como Mbappé, ponta direita PSG, que deu um susto num treino, e teve que deixar o campo com dores no tornozelo, mas não foi nada grave.
Outros nomes como Griezmann, atacante do Atlético de Madrid, e Pogba, meio-campo do Manchester United também fazem parte da equipe francesa. A Seleção que vem sendo uma das favoritas na Copa da Rússia, entra em campo com as estrelas do futebol europeu em busca do bicampeonato mundial.

Não precisa pesquisar a fundo para saber que nomes como Pogba, Dembelé, Kanté, Mbappé e Griezmann contribuem para a eficiência da Seleção de Didier Deschamps. Apesar dos bons nomes que compõe a Seleção, e o jogo individual de cada um nos chama atenção. O time francês traz dúvidas por todo o mundo sobre o seu jogo coletivo. Alguns arriscam a dizer que seu técnico não consegue fazer fluir o bom futebol que se espera dos seus jogadores. Isso porque a França inicia o jogo com o 4-3-3, mas ao decorrer da partida pode mudar para 4-4-2. Com jogadores de alto nível técnico, é uma Seleção que promete um sistema ofensivo eficaz, já que a velocidade e habilidade dessa equipe estão lado a lado.

Convocação:

  •  Goleiros: Areola (PSG), Lloris (Tottenham) e Mandanda (Olympique Marselha);
  •  Defensores: L. Hernández (Atlético de Madrid), P. Kimpembé (PSG), B. Mendy (Manchester City), B. Pavard (Stuttgart), A. Rami (Olympique Marselha), D. Sidibé (Monaco), S. Umtiti (Barcelona) e R. Varane (Real Madrid);
  •  Meio-campistas: N. Kanté (Chelsea), B. Matuidi (Juventus), S. Nzonzi (Sevilla), P. Pogba (Manchester United) e C. Tolisso (Bayern de Munique);
  • Atacantes: O. Dembélé (Barcelona), N. Fekir (Lyon), O. Giroud (Chelsea), A. Griezmann (Atlético de Madrid), T. Lemar (Monaco), K. Mbappé (PSG) e F. Thauvin (Olympique Marselha).

França
Divulgação/EquipeDeFrance

Com sua quinta participação em Copa do Mundo, a Seleção da Austrália ou Socceroos, como foram apelidados, foi a maior goleadora do futebol internacional com um placar de 31×0 contra a Seleção da Samoa Americana (2001) quando se classificou para o mundial, sem passar pela repescagem. Seu primeiro confronto é contra a Seleção Francesa e enfrentara dificuldades para vencer diante de tantos craques que fazem parte do time francês.

Rendimento muito abaixo do futebol que gostamos de ver, os Socceroos precisaram passar por duas repescagens para chegar até a tão esperada Copa do Mundo. Já que no Grupo 2 das eliminatórias, ficaram atrás de Japão e Arábia Saudita. Na copa das confederações o time também não obteve êxito e foi eliminado após a derrota para a Alemanha e os empates com Camarões e Chile.

O técnico Bet Van Marwijk aposta num futebol um pouco conservador e conta com as estrelas do time Aaron Moy, Tom Rogic, Andrew Nabbout, e claro, Tim Cahill, que marcou dois gols contra a Síria quando entrou no segundo tempo.
A Austrália usa a formação em boa parte do jogo como: 4-2-3-1

Com um bom esquema tático ofensivo, a Austrália tem jogadores como Andrew Nabbout, atacante do Urawa Red Diamonds, Mathew Leckie, atacante do Hertha Berlim, e Tim Cahill, atacante Heidelberg, que será reserva na Seleção, mas na repescagem contra a Síria, marcou os dois gols que fizeram com que a Austrália avançasse para a Copa do Mundo. A Seleção não é temida, mas pode surpreender.

  •   Goleiros: Mathew  Ryan (Brighton), Brad  Jones (Feyenoord) e Danny  Vukovic (Genk)
  •   Defensores: Josh  Risdon (Western Sydney Wanderers), Milos  Degenek (Yokohama Marinos); Mark Milligan (Al-Ahli), Matthew Jurman (Suwon Samsung Bluewings), Trent  Sainsbury (Grasshopper); Aziz  Behich (Bursaspor) e James Meredith (Milwall)
  •   Meio-campistas: Mile  Jedinak (Aston Villa), Aaron  Mooy (Huddersfield), Massimo  Luongo (Queens Park Rangers); Jackson Irvine (Hull City), Tom Rogic (Celtic) e Dimitri Petratos (Newcastle Jets)
  •   Atacantes: Tim Cahill (Milwall), Tomi Juric (Luzern), Jamie Maclaren (Darmstadt); Andrew Nabbout (Urawa Red Diamonds); Mathew Leckie (Hertha Berlin), Robbie Kruse (Bochum) e Daniel Arzani (Melbourne City).

O primeiro jogo da chave é França x Austrália, no sábado (16).

Curiosidade do confronto

É a primeira vez que as duas Seleções se enfrentam.

Palpite do Jogo

Alexia: 2 a 0 França

Letícia: 3 a 0 França

 

Australia.jpg
Divulgação/Fifa/Eliminatórias

O segundo jogo da chave é Peru x Dinamarca, no sábado (16), às 13h00 pelo horário de Brasília

Curiosidade do Confronto:

A seleção dinamarquesa levou a melhor no amistoso de 1997. Dinamarca 2 a 1 Peru.

Palpite Letícia: 1 a 0 Peru

Palpite Alexia: 2 a 0 Peru

Vale ficar de olho: A seleção peruana vem com sede de Vitórias pra esse jogo, carimbou o passaporte graças a repescagem contra a Nova Zelândia e promete vir pra brigar entre os favoritos!

A Seleção do Peru teve sua melhor campanha em copa do mundo no ano de 1970 garantindo o 7° Lugar. Após 36 anos sem participar da Copa do Mundo, o time vem confiante graças a confirmação da participação do craque do time Paolo Guerrero, atacante Flamengo, que foi acusado de dopping no último semestre, mas foi liberado pela Justiça Suíça para participar da Copa.

Também com o favoritismo ao seu favor dentre os 4 times do grupo, a Seleção vem aos jogos com outros craques do futebol como Claudio Pizarro, atacante do Colônia, e Cueva, meio-campo do São Paulo.

Os Peruanos não tiveram sua defesa vazada nos últimos três amistosos pré-copa e a equipe pode contar com seu sistema ofensivo que possui boas possibilidades de movimentação, já que a defesa dinamarquesa continua sendo frágil.

Esquema: 4-2-3-1 (Nada definido ainda)

Variação: 4-1-4-1

Convocação:

  • Goleiros: Carlos Cáceda (Deportivo Municipal), José Carvallo (UTC) e Pedro Gallese (Veracruz)
  • Defensores: Luis Advíncula (BUAP), Aldo Corzo (Universitario), Alberto Rodríguez (Junior Barranquilla), Miguel Trauco (Flamengo), Miguel Araujo (Alianza Lima), Anderson Santamaría (Puebla), Nilson Loyola (Melgar) e Christian Ramos (Veracruz)
  • Meio-campistas: Yoshimar Yotún (Orlando City), Christian Cueva (São Paulo), Paolo Hurtado (Vitória de Guimarães), Renato Tapia (Feyenoord), Edison Flores (Aalborg), Andy Polo (Portland Timbers), Pedro Aquino (BUAP) e Wilder Cartagena (Veracruz).
  •  Atacantes: André Carrillo (Watford), Jefferson Farfán (Lokomotiv Moscou), Raúl Ruidíaz (Morelia), e Paolo Guerrero (que teve seu contrato com o Flamengo suspenso)
Peru.jpg
Equipe do Peru que venceu a repescagem contra Nova Zelândia, sem Guerrero Divulgação/Fifa

Dinamarca, carinhosamente apelidada por seus torcedores como “Dinamaquina”, após vencer 3 partidas na fase de grupos da copa de 1986, busca o seu primeiro título na Copa da Rússia de 2018. Sua melhor campanha na copa foi em 1998 quando foi eliminada nas quartas de final, quando perdeu para o Brasil de Cafu e cia por 3 a 2.

Com uma trajetória similar a da Seleção peruana, a Dinamarca garantiu sua vaga na copa do mundo graças a repescagem. A 4 jogos sem perder (2 Vitórias e 2 Empates) permanecer com a invencibilidade é o objetivo da seleção.

Tem jogadores de nomes expressivos como Eriksen, meio-campo do Tottenham, Yussef Poulsen, atacante do RB Leipzig, e Pione Sisto, meia do Celta Vigo. A Seleção Dinamarquesa enfrenta problemas no sistema defensivo assim como o Peru e aposta no ataque para conseguir levar a melhor nesse primeiro confronto.

Padrão: 4-2-3-1

Variação: 4-1-2-3

Convocação:

  • Goleiros: Kasper Schmeichel (Leicester), Jonas Lossl (Huddersfield) e Frederik Ronow (Brondby). Defensores: Andreas Christensen (Chelsea), Simon Kjaer (Sevilla), Mathias Jorgensen (Huddersfield), Jannik Vestergaard (Borussia Moenchengladbach), Henrik Dalsgaard (Brentford), Jens Stryger (Udinese) e Jonas Knudsen (Ipswich).
  • Meio-campistas: Christian Eriksen (Tottenham), Lasse Schone (Ajax), Lukas Lerager (Bordeaux), Michael Krohn-Dehli (Deportivo La Coruna), William Kvist (FC Copenhagen) e Thomas Delaney (Werder Bremen).
  • Atacantes: Andreas Cornelius (Atalanta), Kasper Dolberg (Ajax), Martin Braithwaite (Bordeaux), Nicolai Jorgensen (Feyenoord), Pione Sisto (Celta Vigo), Viktor Fischer (FC Copenhagen) e Yussuf Poulsen (RB Leipzig).
Dinamarca.jpg
Seleção dinamarquesa nas eliminatórias da Copa 2018 Divulgação/Fifa

 

Curiosidade do Grupo C

Os rivais do Grupo C se reuniram nas redes sociais com a HashTag #TheFriendllyGroup (em português #GrupoAmigavel) para se comunicar durante a competição e conseguirem ser reconhecidos amigavelmente entre comentários sobre os jogos e brincadeiras. Os capitães dos outros times, se reuniram e escreveram uma carta a FIFA pedindo a liberação do jogador Paolo Guerrero, antes da decisão da Justiça Suíça aceitar a liminar para a copa.
Pode-se esperar bons jogos entre os 4 times.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: