Lucas Figueiredo/CBF

Brasil empata com a Suíça na estreia do Mundial e VAR gera polêmica

Seleção quebra a expectativa de goleada, pressiona os primeiros minutos de jogo e deixa os Suíços com esperança de vencer o jogo de estreia após a polêmica do VAR aos 15 minutos do segundo tempo

Logo na estreia a Seleção Brasileira não apresentou o futebol que todos os brasileiros, na verdade o Mundo, estava esperando. Apesar dos primeiros 30 minutos de jogo terem sido bem jogados, o time de Tite foi bem apático e relaxou muito com o primeiro gol na Copa do Mundo. Diversos bolões garantiam uma goleada do Brasil contra a Suíça, dizendo que “menos de 3 a 0 não se comemora”. Nervosismo, auto-confiança extrema e o foco enlouquecido pela taça tenha deixado de se enxergar a primeira batalha até a honra final.

O golaço de Coutinho de longa distância, da esquerda até a trave direita tenha aumentado a expectativa de seus jogadores. O Brasil começou muito bem o jogo, as laterais foram muito bem exploradas, a maioria das jogadas do lado do Marcelo com triangulações entre Neymar e Coutinho. Paulinho apareceu bem nos minutos iniciais, fez pivô e puxou bastante as jogadas, deixando o último toque para o Gabriel Jesus, porém, não estava no seu melhor dia. Muitos erros de passe, marcação bem lenta no meio de campo, até Jesus não se destacou nessa partida. De longe, não foi um dos seus melhores jogos na seleção em mais de 18 convocações.

P. Coutinho foi eleito o melhor da partida pela FIFA Lucas Figueiredo/CBF

Na outra lateral, William e Danilo foram muito bem, tanto na marcação quanto na criação. O atacante soube conduzir bem as jogadas e cruzamentos, e o lateral muito bem na reposição de marcação. O meio de campo brasileiro deixou muitos espaços para o time da Suíça, a falta de marcação alta e pressão tanto no campo de ataque quando no campo defensivo deixou alguns lances passando nervoso.

A expectativa na volta de Neymar Jr. foi o triunfo para todos, voltando de uma lesão séria, o condicionamento do camisa 10 não foi o melhor, talvez a falta de confiança também tenha sido um dos pontos do jogador não ir tanto para cima. Abusou em carregar a bola, assim como irritou com a sua “Brasileiragem” em driblar os marcadores Suíços, tanto que amarelou 2 jogadores. Mais de 60% das faltas foram nele, de 19 faltas, 10 foram sofridas pelo Neymar.

Muitos analistas dizem que a individualidade de Neymar prejudica o time como um todo. As arrancadas e domínio de bola, carregando extremamente as jogadas, perdendo muitas que seriam fácies para dar o último toque ao companheiro, deixa a equipe a deriva. Levando em conta voltando de lesão, o jogador queira dar mais de si, até por uma cobrança interna, também considerando o 7 a 1 que não tenha participado, saindo de um Mundial por um lance que o deixou inabilitado em jogar durante alguns meses. Todo jogador não é uma máquina, são pessoas comuns mas com cobranças enormes por conta da sua profissão, erram, aprendem e também desfrutam de toda a sua vivência.

Ele é o craque da equipe, o homem que todos depositam a confiança, muitos não gostam por sua malícia em agir com os penteados, sua marra de driblar os marcadores, mas imaginem o quanto ele não escuta dos adversários, a quantidade de marcação em cima e os tapas, chutes e ponta-pés que ele recebe durante a partida. É normal de querer mostrar todo seu potencial nesse início de campeonato. Concordo com ele precisar ser mais coletivo, as jogadas serem mais executadas em dois toques, mas toda a ansiedade de início passou.

Jogando no 4-1-4-1, a seleção do técnico Tite é muito bem estruturada, as jogadas bem executadas e trabalhadas, as linhas de 2 com 4 jogadores no ataque foram bem montadas e a recomposição muito precisa. Talvez até mesmo o Tite tenha se surpreendido com o empate, mesmo esperando todas as possibilidades, antes de tudo ele é um “torcedor” como todos nós. Com tudo isso, em mais de 21 participações em Copas do Mundo, sendo a equipe com a maior participação da história, todo início é um “frio na barriga” diferente.

A marcação de 2 a 3 jogadores em cima do Neymar, anulou qualquer jogada infiltrada do atacante, com muitas dificuldades no toque final ao gol Lucas Figueiredo/CBF

Apesar da substituição do Casemiro pelo Fernandinho sendo bem contestada, deve se levar em conta cartão amarelo recebido pelo camisa 5, no início do segundo tempo. A velocidade de jogo foi perdendo o ritmo com a entrada do Renato Augusto no lugar do Paulinho. O meia-campista é o homem das bolas colocadas, o passe mais preciso mas é lento na movimentação e não acelera muito na infiltração do meio de campo.

A linha de 5 jogadores da Suíça foi bem trabalhada, marcação super alta desde o campo de defesa, até o ataque com pressão no tiro de meta do goleiro, meio de campo anulando a criação do Brasil, trabalhando bem recuada, a busca por uma bola foi a esperança do empate e talvez a vitória. O gol do Zuber foi de escanteio com 7 marcadores brasileiros na grande área, mas é aí onde a polêmica é gerada. O cabeceador empurra o Miranda, dando chances de ter sido falta. O árbitro da partida estava de frente para o lance e mesmo com os jogadores brasileiros apontando para o replay no telão, o juiz não solicita o uso do VAR, o árbitro em vídeo. Foi falta em Miranda mesmo ele não tenha caído, o Zuber joga toda a sua pressão para o empurro e consegue anular a marcação, deixando livre para o gol. A malícia em não cair veio de Miranda, mas não é pelo “politicamente correto” do Tite, e sim pela personalidade do jogador.

A equipe brasileira teve a total convicção em analisar os erros individuais e coletivos do time em vez de polemizar o empate pelos erros de arbitragem. A imprensa e torcida ficam tão focados nos erros de não terem marcado pênalti no Gabriel Jesus e no gol da Suíça, que não perceberam a tranquilidade e relaxo da equipe depois do primeiro gol.

O empate não é a pior possibilidade do mundo em não levar o Hexa para casa. Uma curiosidade nesse início de Copa, o único time Sul-americano que venceu uma equipe europeia foi o México. Pelas estatísticas, o Brasil pode avançar para a próxima fase com 5 pontos, mas se ficar em segundo lugar no grupo e a Alemanha em primeiro, existem grandes possibilidades em se enfrentarem nas oitavas-de-final.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: