Os 4 minutos cruciais

O jogo de hoje era determinante para o Brasil. A Seleção precisava de uma vitória para resgatar a confiança, levantar os ânimos do elenco e, principalmente, da torcida. Com dificuldades de infiltração e déficit’s em algumas posições, estava difícil de acreditar ainda no início da partida. Willian, que no Chelsea joga mais solto, fluindo dos dois lados, nas últimas partidas não rendeu como o esperado, uma vez que, na seleção brasileira joga fixo pela direita. Já Paulinho chegou poucas vezes na linha de frente para efetivar sua participação. Uma vez que estava preso na marcação, e com isso a vitória ficava cada vez mais longe;

A Seleção da Costa Rica jogando na retranca e apostando muito no contra-ataque, teve boas oportunidades de finalizações durante o 1o tempo, e chegou a pressionar bastante a Seleção brasileira. Já no intervalo do jogo, Tite se mostrou ousado. Colocou Douglas Costa no lugar de Willian, fazendo com que o time apresentasse mais velocidade no lado direito e consecutivamente maior movimentação de jogo. Inclusive, Douglas se mostrou merecedor da titularidade para o próximo jogo. Vale destacar também a participação inclusiva e decisiva de Thiago Silva como capitão. Mostrando sangue frio na ala defensiva, junto do parceiro Miranda, neutralizou os contra-ataques do adversário.

Ainda com desempenho abaixo do esperado, a zaga brasileira vem se mostrando muito compacta e eficiente. O resultado mais claro que se observa em campo é o pouco esforço que o goleiro Alisson tem precisado fazer. Aos 23 minutos do 2o tempo, Tite se mostrou decidido a colocar suas principais apostas em campo e, mais uma vez, substituiu Paulinho por Firmino. O que resultou numa equipe mais solta em campo. Neymar, que mais recebeu críticas pelo primeiro jogo não apareceu muito durante a primeira etapa da partida, porém passou a desenvolver uma melhor movimentação após essas mudanças.

Gabriel Jesus se esquentou pelas laterais e Firmino, pelo meio, conseguiu criações mais eficazes. Chamou mais jogo e mostrou evolução técnica com sua precisão nos passes.

A segunda etapa foi repleta de finalizações graças às substituições de Tite. O lance fundamental do jogo foi um pênalti em cima de Neymar, que inicialmente foi marcado e logo depois, com a utilização do VAR, foi anulado. A cera começou a rolar pela Seleção costarriquenha e isso tudo mexeu com os nervos dos brazucas.

87d5abac-8a88-4d89-b35f-66eae3a31523P. Coutinho na comemoração do primeiro gol da Seleção (Foto: André Mourão/ MoWA Press)

Nosso apogeu se deu com os acréscimos de seis minutos. Sabendo da dificuldade que se daria ao sair do jogo de hoje com um empate, o Brasil pressionou e, assim que o cronômetro marcava apenas quatro minutos para acabar a partida, saiu o primeiro gol. Com o cruzamento de Marcelo, Firmino chegou a escorar na bola para o meio da área. Jesus não conseguiu dominar, mas a sobra ficou para Coutinho, que mandou para o fundo da rede com o bico da chuteira. O jogador se apresenta muito bem posicionado nos jogos e pela segunda vez consecutiva, e é considerado o melhor em campo pela amarelinha.

Cerca de 2 minutos depois, Neymar, que se apresentou muito abaixo do seu nível fisicamente, realizou uma colaboração coletiva maior comparado ao último jogo. Ele deu uma carretilha linda e persistiu nas finalizações até que, passados os seis minutos nos acréscimos, conseguiu marcar o seu. Casemiro num contra-ataque, tocou para Douglas Costa, que cruzou para Neymar e se aproveitando do (finalmente) mau posicionamento de Navas, apenas empurrou para a rede.

Os momentos após o apito final do jogo foram marcados pela comemoração do elenco e, principalmente, pelo choro de Neymar. Choro que, para alguns, representou infantilidade, mas por outro lado, outros acreditavam que representou a felicidade após essa vitória importantíssima, levando em consideração toda a cobrança e pressão que ele vem recebendo nos últimos dias. Devemos ressaltar também as palavras de Gabriel Jesus. “Temos de apoiar mais os nossos jogadores […] hoje foi o dia de parar o coração, foi na raça, no jeito brasileiro”, finalizou. O próximo jogo será decisivo, entre Brasil e Sérvia que, apesar de suas oscilações durante o mundial, apresenta uma defesa sólida e um meio de campo especialista em armar contra-ataques rapidamente. Estamos definitivamente na briga pela classificação. E pelo título.

Brasil 2 x 0 Costa Rica

270df8e0-a2de-40cf-acf1-cbfeaaa1c8b2Reprodução FIFA Twitter/@FIFAWorldCup

 

 

1 thought on “Os 4 minutos cruciais

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: