(Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife)

Equipe feminina é sacrificada em meio a crise financeira do Sport

Após a queda do Leão para Série B e uma grande dívida financeira, o maior prejudicado é o esporte

No dia em que celebramos a presença e a força feminina no futebol comemorando o aniversário da rainha Marta, o Sport Club do Recife encerra as atividades da sua equipe feminina, nesta terça-feira (19).

O futebol feminino em Pernambuco perde e muito com o fim da equipe do Sport, a modalidade que foi reativada em 2016, estava se fortalecendo e se consolidando no cenário, mas acabou hoje por decisão do clube.

Em meio a crise financeira enfrentada pelo Sport, o time sacrificou a equipe feminina. As mudanças já estavam sendo anunciadas pelo presidente Milton Bivar, tanto para o quadro feminino quanto nos esportes olímpicos do Sport. A dívida revelada pelo clube é superior a R$100 milhões e alguns funcionários também poderão ser demitidos.

Jogadelas As Leoas durante o Campeonato Brasileiro do ano passado (Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife)

Há dois meses, Milton Bivar, ainda candidato a presidência do clube, disse que era necessário dar incentivo para ao futebol feminino e seguir com o trabalho das mulheres. Como presidente, Bivar revela que a realidade é outra. As 20 jogadoras foram afastadas e a equipe da Ilha do Retiro foi desfeita.

Segundo o Globo Esporte, Nira Ricardo, coordenadora do futebol feminino, foi a responsável por avisar as atletas sobre a decisão do clube. As atletas que estavam alojadas no rubro-negro agora buscam voos para retornarem para suas cidades. O alojamento em questão será reformado e usado para o trabalho com os jogadores da base.

O Sport tinha contrato com as atletas. Todas jogadoras estão com seus salários atrasados desde novembro e também não receberam o 13º.

A equipe masculina do Sport foi rebaixada para a Série B do Campeonato Brasileiro em 2018, com isso, perdeu a obrigatoriedade de manter uma time feminina em seu clube. Para participarem da Série B, C e D no campeonato brasileiro masculino, os times terão que ter equipes femininas dentro das exigências da CBF nos anos de 2020, 2021 e 2022.

O Sport é heptacampeão pernambucano no futebol feminino e foi vice-campeão da Copa do Brasil feminina em 2008. No ano passado, o time levou a Taça Paulista de Futebol Feminino do Nordeste.

Além de ano passado serem premiadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), com o troféu Fair Play do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, por ter sido a equipe que levou menos cartões durante a competição.

Jogadelas eoas comemoram o primeiro título da temporada de 2018 (Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife)

As Leoas venceram na temporada de 2018 a 1ª edição da Taça Nordeste e também o Campeonato Pernambucano. As duas competições foram conquistadas de forma invicta e a taça do Estadual foi levantada sem as jogadoras levarem nenhum gol. Entre as atletas, a média da equipe era de 21 anos.

Em contato oficial, Jonas Urias, treinador da equipe, confirmou o ocorrido.

Equipe Jogadelas

Nós do Jogadelas ficamos extremamente tristes com a notícia que o time feminino do Sport Club do Recife tenha que sido desfeito diante dos problemas financeiros do clube. Fora da obrigatoriedade da Série A com os times femininos, o Sport sacrifica primeiramente a equipe feminina e demite suas atletas com atrasos nos salários e a quebra de promessa sobre a continuidade do trabalho no clube.

O futebol feminino é antes de tudo um investimento que deve ser levado à sério por dirigentes e federações. O desenvolvimento do futebol de mulheres regride quando situações assim acontecem.

É preciso incentivo e planejamento também para as meninas para alcançarmos a igualdade dentro do esporte. Toda força às jogadoras, comissão técnica, torcedoras e torcedores do Sport Club do Recife nesse momento.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: