Você sabia que entre 1941 a 1979, as mulheres foram proibidas de jogar futebol no Brasil? Em outros países como França e Alemanha também passaram pela mesma repressão. Isso mesmo, mulheres sendo impedidas de jogar bola. As leis fora dos gramados não impediram muitas mulheres de seguirem jogando, porém, as histórias dessas pioneiras no esporte nunca foram contadas ou documentadas por órgãos oficiais, tanto que o material é vasto.

“Às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do país”, dizia o decreto-lei 3.199, art. 54, de 14 de abril de 1941, aplicado no Brasil. 

Em busca das histórias e personagens que viveram esse período, o Museu do Futebol e o Google Arts & Culture lançam na última quinta-feira (23) o Museu do Impedimento, uma experiência digital colaborativa para retratar os anos de proibição do futebol feminino no país. 

Passo a passo de como você pode participar do acervo enviando fotos e documentos para o site

Qualquer pessoa pode compartilhar documentos, como vídeos, áudios, fotos e depoimentos de suas coleções pessoais sobre o futebol feminino. Basta fazer o upload do material direto no site museudoimpedimento.com, e permanece até o dia 23 de junho. A curadoria do conteúdo ficará a cargo da equipe de especialistas do Museu do Futebol. O site foi lançado em branco e gradualmente receberá o conteúdo enviado pelos usuários. Ao final do projeto, esse material ganhará forma também em uma exposição virtual na plataforma Google Arts & Culture.

O Museu do Impedimento terá alguns depoimentos compartilhados por mulheres que foram pioneiras do esporte, como Léa Campos, a primeira árbitra do mundo e presa por 15 vezes durante os anos de proibição, e Mariléia “Michael Jackson” dos Santos, artilheira do futebol brasileiro.

O projeto foi criado também em parceria com a AKQA, uma rede de estúdios global e agência criativa do projeto, que incentivará as pessoas a colaborarem com o museu virtual.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: