Conheça o Grupo E: Holanda, Canadá, Camarões e Nova Zelândia

Holanda

Ranking FIFA da Holanda: 8º lugar

Representando os Países Baixos, a Holanda participa pela segunda vez da Copa do Mundo de Futebol Feminino. As meninas estrearam na competição no ano de 2015, e foram eliminadas do que nas oitavas de final perdendo de 2×1 para o Japão, que terminou como vice campeão.

Mesmo sendo eliminada, sua participação foi elogiável. O ano de 2015 marcava também a despedida das algumas jogadoras: a goleira LoesGeurts, a zagueira Petra Hogewoning, a volante AnoukHoogendijk, e a ponta-de-lança Kirsten van de Ven. No mesmo momento acontecia também a chegada das novatas, sendo elas: a goleira Sari van Veenendaal, a zagueira Mandy van den Berg, as meio-campistas TesselMiddag e LiekeMartens, as atacantes Jill Roord e Vivianne Miedema.

Já em 2016, a seleção se despedia da atacante Manon Melis, maior artilheira da seleção feminina, que encerrou a carreira aos 30 anos com 55 gols entre 2005 e 2016.

Era só o início de uma nova era para a seleção das Leoas (Leeuwinnen) como são conhecidas.

Ainda em 2016, a equipe recebia efetivamente a ex jogadora Sarina Wiegman como treinadora. Sarina já havia atuado como técnica interina da seleção em 2015, até que Arjanvan der Laan assumiu o cargo. O retorno da treinadora deu-se a uma sequência dolorosa de três derrotas sendo elas para Alemanha, Bélgica e Inglaterra. O suficiente para que as leoas laranjas voltassem para as mãos de Sarina.

A Holanda ganhou confiança e em 2017 venceu o Campeonato Europeu de Futebol Feminino da UEFA conquistando o primeiro título de sua história em cima da Dinamarca, com o resultado de 4×2.

O entrosamento entre as jogadoras era nítido nos amistosos disputados naquele ano, tiveram sete vitórias em dez jogos, perdendo apenas para Austrália, França e Japão.

Na convocação para a França, temos destaque no ataque com Lieke Martens, conhecida pela criação de jogadas no meio-campo e Shanice Van de Sanden que é forte no quesito velocidade e cruzamentos pelo lado direito.

Lieke Martens

A zagueira Stefanie Van der Gragt, que se recuperou de uma grave lesão até o final de 2018, e por isso era uma dúvida, retornou às disputas esse ano e está escalada para o mundial na frança. Com 26 anos, Stefanie joga pela equipe feminina do Barcelona FC.

O torneio internacional de futebol feminino Algarve Cup disputado em Portugal, de fevereiro a março de 2019, também serviu como preparação para a Copa do Mundo, segundo a treinadora, ainda que os resultados não tenham sido satisfatórios, a equipe terminou o torneio em penúltimo lugar.

Em relação aos últimos resultados pré copa, as leoas golearam a equipe chilena no último dia 09 de abril no penúltimo amistoso que antecede a copa. O resultado foi de 7×0, sendo 4 gols de Danielle Van de Donk (27 anos) que atua como meia pelo clube inglês Arsenal, e 3 gols de Vivianne Miedema, (22 anos) que também joga pelo Arsenal na posição de atacante e foi eleita a melhor jogadora da Eurocopa em 2017, o que podemos considerar uma volta por cima, levando em conta que foi uma das apostas frustradas na copa de 2015, não obtendo os resultados esperados.

A recente goleada mostra que apesar da falta de experiência em Copa do mundo, a equipe vem com toda a força em busca de sua primeira taça mundial. Além do mais, o grupo tem tido cada vez mais visibilidade, prova disso foi a mudança no escudo da seleção feminina feita pela KNVB, ao invés do leão do uniforme masculino, uma leoa.

Pode não ser a seleção favorita a levar o título, mas tem tudo para surpreender e brigar fortemente no grupo E.

A Holanda estreia pela Copa do Mundo Feminina 2019 no dia 11/06 jogando contra a Nova Zelândia, em Le Havre. Dia 15/06 joga contra a seleção do Camarões em Valenciennes e finaliza a primeira etapa jogando contra o Canadá, em Reims, dia 20/06.

Convocação oficial:

Canadá

Ranking FIFA do Canadá: 5º lugar

As meninas do Canadá vão com tudo pra França. Sendo a seleção mais experiente do grupo E, carrega nas costas a experiência por participar pela 7ª vez do mundial. Seu melhor resultado foi em 2003 quando ficou em 4º lugar. No mesmo ano, conquistou uma medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos. Seu principal título viria 8 anos depois, a medalha de ouro conquistada nos Jogos Pan-Americanos de 2011.

O Canadá sediou a Copa do Mundo de Futebol Feminino em 2015, mas a seleção não conseguiu passar das quartas de final e foi eliminada pela Inglaterra por 2×1, terminando em sexto lugar.

Em 2016, as canadenses levaram o Algarve Cup contra as brasileiras por 2×1. Já em 2019, as meninas levaram o bronze na competição. Além do mais, foi a única equipe estrangeira a vencer o Torneio Internacional de Futebol Feminino disputado no Brasil de 2009 a 2016.

O Canadá segue sob o comando do técnico Kenneth Heiner-Moller desde janeiro de 2018.

E por falar em 2018, esse foi um ano em que as meninas voaram! O Canadá registrou um recorde internacional de oito vitórias e quatro derrotas em doze partidas. Já em 2019, a Seleção Feminina Nacional está invicta com cinco vitórias seguidas.

A equipe traz jogadoras que representam o país em alguns dos maiores clubes do continente como Lyon, Manchester City e Paris Saint-Germain.

A atacante Janine Beckie, uma das apostas da seleção, é um exemplo disso. A jogadora que completará 25 anos esse ano, é recém chegada no Manchester City. Teve sua estreia na seleção canadense na Copa do

Mundo Sub-20 da FIFA. A sua atuação foi tão boa que no mesmo ano estreou pela equipe profissional em um amistoso contra a Suécia. Beckie pôde brilhar por sua vez na abertura dos Jogos Pan-Americanos em 2015 contra o Equador.

Em 2016, Beckie teve um papel importante na conquista do Algarve Cup sendo a maior goleadora do Canadá. Ela tem tudo pra brilhar na França.

Entre os grandes nomes da seleção, é impossível não mencionar a atacante Christine Sinclair (35 anos) que joga pelo Portland Thorns, nos EUA, é extremamente decisiva. A jogadora que se aproxima do recorde de 184 gols pela seleção canadense, em suas entrevistas demonstra prezar pela atuação em equipe. Atuando desde 2001 pelo Canadá, não nega o desejo de fazer história na França.

Sinclair foi selecionada sete vezes para o prêmio da FIFA de Melhor Jogadora do ano, apesar de não ter levado o título.

Christine Sinclair

Em relação aos últimos resultados, a Seleção Feminina do Canadá derrotou a Inglaterra por 1 a 0 em um intenso jogo de pré-copa no Academy Stadium em Manchester, no Reino Unido.

Os canadenses terão a oportunidade de ver a Seleção Feminina em casa antes da Copa do Mundo Feminina da FIFA quando disputarem uma partida do “Send-Off” contra o México em Toronto no BMO Field no dia 18 de maio.

O Canadá fará sua estreia na Copa do Mundo Feminina da FIFA 2019 contra Camarões na segunda-feira dia 10 de junho, no Stade de la Mosson, em Montpellier, na França.

O Canadá viajará então para Grenoble para a segunda partida da fase de grupos no sábado, 15 de junho, contra a Nova Zelândia, no Stade des alpes. Em seguida, conclui a fase de grupos em Reims na quinta-feira 20 de junho, com um jogo contra a Holanda.

Camarões

Ranking FIFA de Camarões: 46º lugar

Treinada desde janeiro de 2019 por Alain Djeumfa, a Seleção Feminina de Camarões é uma das três equipes africanas a disputar a Copa do mundo na França.

As meninas são conhecidas como “Les Lionnes Indomptables” em português “As leoas indomáveis”, apelido dado por carregarem um leão em seu escudo.

A equipe participou dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, mas a seleção foi desclassificada ainda na primeira fase.

Participou da Copa do Mundo pela primeira vez em 2015, estreou goleando o Equador por 6 a 0. Foi histórico para a equipe. Uma estreia e uma goleada ao mesmo tempo.

Posteriormente foi eliminada nas oitavas de final perdendo de 1×0 para a China.

A atacante Gaëlle Enganamouit, que se convocada tem tudo para ganhar ainda mais destaque no mundial de 2019, na copa de 2015 marcou 3 dos 6 gols da goleada e foi parar nas manchetes, isso contribuiu para que vencesse o prêmio de Jogadora Africana daquele ano.

Gaëlle Enganamouit

Outra jogadora que demonstra potencial para surpreender é a atacante Gabrielle Onguéné, que atua pelo time russo CSKA Women’s Football Club.

No mês de março, as meninas estiveram na China para participar de amistosos de provação para a Copa do Mundo feminina. Além da China, compareceram Rússia e Croácia.

As leoas tem como desafio atravessarem as oitavas de final pela primeira vez. Em 2018 ficaram em terceiro lugar na Copa da África. Em 2019 só participaram de dois jogos, venceram um e perderam o outro.

Falta experiência, mas garra tem de sobra, principalmente tendo em vista que, se conquistado esse seria o primeiro título da seleção que ainda não possui nenhum.

A estreia está marcada para 10/06 em Montpellier contra o Canadá. Em 15/06 jogam contra a Holanda em Valenciennes e para finalizar a primeira etapa, dia 20/06 voltam para Montpellier para encontrar com a seleção da Nova Zelândia.

Nova Zelândia

Ranking FIFA da Nova Zelândia: 19º lugar

A Seleção feminina da Nova Zelândia, também conhecida como “Football Ferns”, consagrou-se seis vezes campeã da Copa da Oceania: (1983, 1991, 2007, 2010, 2014 e 2018) e até uma Copa da Ásia em 1975. Mas nunca ganhou uma copa do mundo, por enquanto vem adquirindo experiência, essa será a quinta vez em que participa da competição.

Em 2015 não conseguiu passar da primeira etapa, viveu 2 empates e 1 derrota, ficando de fora das oitavas de final. Em 2019 ficou em 3o lugar na FFA Cup of Nations.

Em abril a seleção registrou uma vitória importante em sua preparação para a Copa do Mundo Feminina, derrotando a Noruega por 1 a 0 na Espanha. A atacante Rosie White aproveitou o deslize da defesa e colocou a Nova Zelândia na frente.

Ali Riley é uma das atletas convocadas de destaque da seleção. Aos 31 anos, ela joga pelo Chelsea na posição de zagueira. Atual capitã da equipe, e atua pela seleção da Nova Zelândia desde 2006.

KINGSTON UPON THAMES, ENGLAND – FEBRUARY 17: Ali Riley of Chelsea Women runs with the ball during the SSE Women’s FA Cup Fifth Round match between Chelsea Women and Arsenal Women at The Cherry Red Records Stadium on February 17, 2019 in Kingston upon Thames, England. (Photo by Ker Robertson/Getty Images)

A Noruega é a 12ª colocada no ranking mundial, sete pontos acima da Nova Zelândia, e este resultado marca a primeira vez que os meninas vencem uma equipe de maior classificação desde 2015, quando derrotaram o Brasil.

E se o futebol da Nova Zelândia ainda não conseguiu sair em vantagem em relação aos outros países, com certeza está na frente no quesito consciência. A Federação de Futebol do país (NZF) e a Associação de Jogadores Profissionais (NZPFA) anunciaram um acordo para garantir a equidade e paridade em tudo que se refere a dinheiro entre seus times masculinos e femininos de futebol.

Segundo o acordo, as jogadoras profissionais da Nova Zelândia terão os mesmos ganhos do que os jogadores com direito de imagem, premiações e salários que os homens, além dos custos com viagens em onde da seleção.

A seleção é comandada por Tom Sermanni. O treinador é especialista em futebol feminino, ele esteve no topo, levando os Estados Unidos a uma histórica temporada invicta em 2013, mas foi demitido no início de 2014. Sermanni foi por sete anos, treinador da seleção masculina australiana.

Convocação oficial:

A Nova Zelândia enfrenta a Holanda na Copa dia 11/06 em Le Havre. Já no dia 15/06 o encontro é com o Canadá em Grenoble.

E para finalizar a primeira etapa, a seleção vai a Montpellier jogar contra as meninas da seleção Camarões dia 20/06.

%d blogueiros gostam disto: