Por Gabriela Nolasco

Na estreia da Seleção Feminina na Copa do Mundo 2019 foi marcada por sensação de alívio e dever comprido. A partida aconteceu neste domingo (9), no Stade des Alpes, em Grenoble, com hat-trick de Cristiane.

Líder do grupo C pelo número no saldo de gols, a Seleção Brasileira apaga o passado no desempenho ruim de 9 derrotas consecutivas. Talvez por algum destino, as derrotas coincidem com a ausência de Cristiane, que ficou fora dos gramados desde outubro e sofreu lesão na panturrilha em fevereiro. Seu retorno coloca o Brasil à frente na classificação para a segunda fase do Mundial.

A partida

O jogo foi de predominância brasileira tanto defensivamente quando ofensivamente. A primeira chance clara de gol foi no contra-ataque de Debinha, mas faltou o toque final, a goleira jamaicana estava bem posicionada. A camisa 9 junto à Andressa Alves ajudaram muito na construção de jogo pelas laterais. O primeiro gol saiu de uma bola aérea da camisa 7, o cruzamento deixou a Cristiane livre entre duas marcadoras para anotar o gol de cabeça. Apesar do pênalti perdido por Andressa Alves, a meia-atacante deixou novamente a camisa 11 livre para marcar o segundo gol e anotar as duas assistências na partida. O gol de número 3 foi marcado na cobrança de falta no ângulo.

O Brasil finalizou 19 vezes com 7 chutes ao gol e 3 marcados. A Jamaica chutou 14 vezes e finalizou 3 vezes ao fol. Com a bola no pé foram 64% de posse de bola, em total de 416 passes para a Seleção Feminina contra 38%, sendo 254 passes, para a Jamaica.

Formiga e Thaisa contribuíram muito no desarme, impossibilitando o terceiro setor da Jamaica não conseguir progredir. O comando das meias campistas foi vencido no duelo para Reggae Girlz de 13 contra 6 nas interceptações. O Brasil foi melhor em desarmes com 29 contra 24 para a Jamaica. Formiga é o nome desse bloqueio brasileiro com 41 anos e 7 participações em Copas do Mundo. Companheira da camisa 7, Thaisa é a ligação dos setores de subidas ao ataque.

A formação da Seleção foi no 4-2-4. Com a ausência de Marta, o técnico Vadão colocou Debinha na esquerda e Andressa Alves na direita. Durante a partida, as atacantes invertiam as posições. Bia Zaneratto junto à Cris formavam o ataque, Bia um pouco recuada fazendo as ligações e participando afetivamente para contribuir com a camisa 11 no toque final. O meio de campo jamaicano foi bem intensivo, tanto que a Cris era marcada por 2 defensoras e buscava os espaços curtos ou bolas aéreas. Debinha buscava espaços no contra-ataque, dando arranques mas faltou o toque final para a camisa 9 marcar seu gol.

O ataque contou com as novas jogadoras do Brasil, Geyse no lugar de Bia Zaneratto e Ludmilla no lugar de Cris.

Cristian3

Cristiane Rozeira é a dona e proprietária da pequena área no feminino e masculino da Seleção Brasileira. Depois das Olimpíadas do Rio 2016, Cris supera uma depressão e dá a volta por cima marcando 3 gols em estreia de Copa do Mundo.

Com o hat-trick, Cris se torna a segunda artilheira da Seleção Feminina em Copas do Mundo ultrapassando a Sissi. A camisa 11 chegou aos dez gols marcados em Mundiais e está atrás apenas de Marta, líder do quesito com 15 gols marcados.

Sissi agora é a terceira maior artilheira com sete gols marcados. Katia Cilene e Pretinha completam o top 5 da lista de goleadoras, com seis e cinco gols marcados, respectivamente. 

O hat-trick de Cristiane foi o primeiro na Copa do Mundo Feminina de 2019 e o terceiro na história da camisa brasileira. As outras foram Pretinha e Sissi, na goleada sobre o México por 7 a 1, na Copa do Mundo dos Estados Unidos em 1999.

O próximo adversário é a Austrália na quinta-feira (13), às 13h pelo horário de Brasília. A transmissão será da Sportv, TV Globo e Band TV.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: